Em que ano você nasceu?





Como os marinheiros influenciaram o consumo de bebidas alcoólicas?

História
Mayflower na Baía de Plymouth, por William Halsall (1882)

⍟ Você já parou para pensar de onde vem o costume de “tomar uma” depois de um dia cansativo de trabalho? Ou já imaginou o trajeto que uma garrafa de rum precisou fazer para chegar à sua mesa? O caminho foi longo e você pode descobrir isso agora.

O consumo de bebidas alcoólicas para a História está tão próximo de nós, seres humanos do século XXI, como as Pirâmides do Egito e o Coliseu. Sabe-se que a extinta civilização africana produzia e consumia cerveja desde muito antes do que podemos imaginar. Povos ameríndios, vikings, romanos… todos consumidores de álcool. Mas, o que transformou o consumo individual de uma taça de vinho ou um copo de cerveja em um mercado poderoso e representativo? Quem fez com que a variedade etílica se expressasse de diversas maneiras diferente? É o que vamos conhecer hoje.

Quando o navio Mayflower zarpou da Inglaterra rumo às Américas, não eram só os primeiros habitantes do que viriam a ser os Estados Unidos que chegaram por lá. Junto aos famosos “peregrinos”, desembarcaram duas das maiores características da cultura anglo-saxã: o tato com as bebidas alcoólicas e o poderio comercial emaranhado em seu povo.

Agora você sabe porque o gin se chama ‘Plymouth’ e porque tem um navio chamado ‘Mayflower’ desenhado no rótulo.

POR QUE TANTO MARINHEIRO NO MUNDO?

Mas, antes de se aventurar por terras inabitadas, vamos voltar algumas casinhas. Para compreender a influência dos marinheiros no consumo de bebida alcoólica no mundo terrestre, é preciso entender, afinal, o porquê de naquela época ter tantos marinheiros no mundo. E é uma questão simples, até: o comércio marítimo foi a força motriz de toda e qualquer grande civilização humana até o século XX. E é aqui que entra a Inglaterra. Por mais que aprendamos na escola que Espanha e Portugal dominaram a chamada “Era das Grandes Navegações” com o Tratado de Tordesilhas, é um equívoco pensar que os britânicos estavam por baixo. Pelo contrário! Estavam por cima e pelos lados, do Oriente ao Ocidente, da Índia às Américas.

E, se o comércio marítimo era dominante no mundo, as cidades litorâneas eram a prova de seu poderio. Verdadeiros centros sociais, econômicos e culturais, estes locais serviam como intercâmbio e troca das mais diversas possibilidades e oportunidades. Desde as mais óbvias, como a língua e o escambo, mas também hábitos e costumes dos mais diferentes povos e etnias. Os civis ensinavam aos marinheiros e os marinheiros ensinavam aos civis: o mais puro e simples significado de troca.

The Port Of London, de Claude Monet (1870)

COSTUMES, HÁBITOS E COMPORTAMENTOS: OS MARINHEIROS DOS SÉCULOS XVI E XVII

Você pode estar se perguntando aí: o que aqueles marinheiros sujos, sem dentes, sem olhos e pernetas teriam a oferecer a qualquer pessoa? Histórias de monstros gigantes? Lendas dos sete mares? Até pode ser que sim. Mas você sabe aonde queremos chegar: os marinheiros ensinaram os civis a beber. Rum, vinho, aguardente…aqueles homens dominavam a arte de navegar e de embriagar-se. E é como o ditado diz: “Nenhuma boa história começa com “um dia eu estava comendo uma salada…”

A lenda de Moby Dick até pegou, é verdade. Mas é difícil competir com um copo de bebida, né? Na Inglaterra do século XVIII o consumo de gin tomou proporções inimagináveis até então. Valendo-se de ser boa e barata, a bebida se proliferou com tamanha força nas entranhas da população que, em certo momento, o Parlamento britânico promulgou leis e emendas para combater o consumo de gin pelo povo – que beirava os 568ml per capita semanalmente. Na Holanda, França, ou o que veio a ser a Alemanha, não foi diferente. A explosão dos destilados, a partir do século XVII, mexeu com a estrutura dos países. Eram tempos difíceis, vivia-se o início da era industrial e as primeiras aglomerações urbanas como conhecemos hoje. Os cidadãos exigiam melhores condições de vida e a bebida estava ligada a isso. E, quem seria capaz de garantir ao povo o que é do povo? Os comerciantes marítimos, mais conhecidos como marinheiros.

E continuou sendo uma troca. Cedia um pouco de um lado para garantir melhorias do outro. Assim mesmo foi também com a bebida. Ora era a ‘cura’, ora a ‘doença’. As bebidas alcoólicas sempre fluíram de acordo com as ondas do mar. Se podia vender, a maré era cheia. Se proibia o consumo, maré baixa.

The Gin Shop, charge de Cruikshank retratando uma armadilha da morte pelo consumo de gin

Para saber mais sobre a Crise do Gin na Inglaterra, clique aqui!

O RUM E O GIN: ‘CURAS’ OU ‘DOENÇAS’?

Mas a verdade é que falar de marinheiro e viagens marítimas é falar de rum. “A bebida dos piratas”, como até hoje é conhecida, também fazia parte da dieta essencial de toda tripulação de qualquer navio. Advindo da cana-de-açúcar e do melaço extraído dela, o rum fazia com que novas relações comerciais fossem formadas, principalmente na região da América do Sul e do Caribe, com Brasil e Cuba sendo seus maiores exportadores.

Além disso, a partir desse ponto fica ainda mais claro o aspecto cíclico que o comércio marítimo possui. Um ciclo de países, de rotas, de produtos, de dinheiro. A Inglaterra precisava das Américas, como a Índia precisava da Inglaterra, como a América precisava das Índias. O rum precisava do melaço, como os elixires que salvavam de doenças terríveis precisavam da quinina, como os marinheiros precisavam de ambas para aguentar as longas jornadas as quais eram obrigados a enfrentar. Desse modo, a bebida não carregava consigo apenas seu caráter social, mas sim de sobrevivência. Nos dias atuais, sabemos que o consumo exagerado leva a doenças sérias ou ao vício. Mas, naquele tempo, muita coisa era desconhecida e a bebida preenchia um vazio muito perigoso e complexo.

ESCORBUTO

E por falar em perigo, vamos a a ele. Sendo comumente chamado de “a doença dos marinheiros”, o escorbuto matou por volta de 2 milhões de marinheiros ao longo de apenas dois séculos. Mas é um daqueles casos em que a desinformação foi a maior culpada. O escorbuto nunca foi um problema direto da navegação, mas sim da alimentação oferecida a esses homens. Causada pela falta de Vitamina C no corpo, ele é “curado” apenas com a inserção de frutas cítricas em sua dieta – algo que estava muito distante da rotina alimentícia das tripulações dos navios.

Edward Vernon, de Thomas Gainsborough (1753)

Apenas no século XVIII se tem a primeira notícia de um capitão que lutou pela saúde de seus subordinados. Edward Vernon (1684-1757), almirante inglês com diversas campanhas ao longo do mundo pelo Império Britânico. Vernon é mais conhecido por sua contribuição no mundo da coquetelaria – mesmo sem ter tido tal intenção – ao diluir o rum em água em seus navios. Mas qual o ganho disso? Além de algo simples, como a maior duração da bebida, a água trazia sais minerais que combatiam certos malefícios causados pela maneira com que o líquido era armazenado – em barris de madeira que, com muita facilidade, acumulavam limo e outros intempéries. E a essa nova mistura foi dado o famoso nome ‘grog’, em homenagem ao próprio Edward, que era conhecido como “The Old Grog”.

MALÁRIA

E ainda no campo da saúde, também podemos citar esta doença causada pelo protozoário Plasmodium e transmitida pela fêmea do mosquito de gênero Anopheles. A malária é muito presente em regiões muito quentes e subdesenvolvidas – como a África, Índia e alguns lugares da América Latina. E nos séculos XVII e XVIII houve uma verdadeira crise sanitária no que então era conhecida como Companhia Britânica das Índias Orientais e mais posteriormente Índia Britânica causada pela malária. E no meio de todo esse caos novamente vamos citar uma bebida.

Cartaz inglês do século XIX que anunciava a quinina como cura para Malária

Uma das decisões tomadas pelo Império Britânico para proteger seus colonos era a de obrigar o consumo do quinina, substância extraída da semente do zimbro, encontrado na América. Mas, por ser extremamente amarga e difícil de ser ingerida, os soldados começaram a misturar com o bom e usual gin, criando, assim, um drink que é tomado até os dias de hoje e a cura para a malária.

Para saber mais sobre a história do Gin Tônica, clique nesse link e leia a matéria!

A bem da verdade, a quinina foi uma grande heroína em outro caso grave da saúde mundial. Além da linha de frente do combate à malária, onde é o principal remédio até hoje, ela esteve também presente durante a gripe espanhola e, mais recentemente, ressurgiu em um debate sobre sua eficácia no combate à pandemia do novo coronavírus.

O CICLO DA BEBIDA E SUA TRAJETÓRIA NA HISTÓRIA ATÉ O SEU COPO

Ao narrar todos esses episódios, o objetivo era apenas um: mostrar como o consumo de bebidas alcoólicas está intimamente ligado a História da Civilização Humana. Ora como doença, ora apresentada como cura, o álcool esteve e está presente nos maiores momentos de nossa narrativa. E, se lá no começo, nós trouxemos a importância dos marinheiros para que o consumo de bebidas fosse banalizado, a problemática agora traz dois pontos: a influência direta e a indireta.

A influência direta baseia-se na premissa de que a troca de costumes e produtos que acontecia nas cidades litorâneas e portuárias abriu margem para a entrada em todo o resto do continente. Sendo vistos como sujos – nas histórias de piratas e contrabando – ou como heróis – nas poesias de Luís de Camões, “Os Lusíadas” – esses homens, na realidade, sofreram com as condições de vida que enfrentavam e viam na bebida um alento – mesmo sem levarem em conta que, uma hora, este alento poderia matá-los.

A influência indireta é baseada na história que não é contada, que está nas entrelinhas ou até mesmo escondida. Se houve em algum momento um domínio holandês dos mares, foi porque holandeses arriscaram suas vidas em navios; se houve domínio inglês no comércio marítimo, foi porque homens ingleses enfrentaram situações completamente adversas nos mares para enriquecer outros que não enfrentavam situações tão adversas assim. O mundo foi construído pelas mãos de marujos desconhecidos que influenciaram a maneira como vivemos hoje.

Assim, as bebidas trazem em seu gosto, em seu processo de destilação e em seu ritual de consumo traços e particularidades de cada elemento presente em si: a acidez tropical, a amargura europeia, a picância da Ásia e África… notas de sabores e aromas de todo o trajeto que precisou ser feito para chegarem, um dia, dentro do seu copo.

Vamos um pouco mais adiante na história para conhecer um outro momento marcante que envolve bebidas alcoólicas:

Prohibition: um olhar mais profundo sobre a lei seca em documentário

 

 

Você vai gostar de ler!

drink pop art do the arch bar

The Arch Bar lança menu em homenagem ao Jubileu de Platina da Rainha Elizabeth II

⍟ Composto de 12 drinks, o menu do The Arch Bar foi inspirado nas obras de arte da realeza britânica Publicado em 19 de maio de 2022, às 11 horas. No ano ...

Preparação mental para a jornada de trabalho no bar

⍟ Além da prática de esportes e de uma boa alimentação, a preparação mental pode ser uma ferramenta importante para o bem-estar durante as jornadas de ...

drinks veganos no balcão

Macetes veganos na coquetelaria

⍟ Cada vez mais clientes brasileiros estão aderindo ao estilo de vida vegano, livre de produtos com origem animal, e é preciso que o bar esteja pronto ...

Escreva o seu comentário:

O seu e-mail não será divulgado.

Menu deslizante