Em que ano você nasceu?





5 mulheres que mudaram a história da coquetelaria

História
mulheres que mudaram a história

⍟ Muitos acontecimentos históricos mudaram o curso da coquetelaria que temos hoje. Conheça algumas mulheres que ajudaram a construir essa trajetória

Se no confins da história há spirits que surgiram das mãos de monges, marinheiros e escravos, também neles estão impressos os nomes de mulheres que contribuíram para a construção da cultura de bar que temos hoje. Em momentos importantes para a trajetória dos cocktails e de toda a indústria de bar, como a Lei Seca americana, por exemplo, é possível encontrar barmaids, advogadas e entusiastas que trouxeram cor a este período. No entanto, nem todas as contribuições são tão positivas como esperamos. Uma das mulheres da lista lutou para que os bares fossem fechados e o álcool, banido. Porém, sem as atitudes tomadas por ela, talvez hoje não dispuséssemos da diversidade de receitas e anedotas da Prohibition.

Confira abaixo cinco mulheres que mudaram a história da coquetelaria:

Rainha Ana da InglaterraRAINHA ANA (1665 – 1714)

Sucessora do Rei William III da Inglaterra, a Rainha Ana chegou ao trono em 1702. Também apaixonada pelos destilados, especialmente o genever, o gin tornou-se sua bebida favorita para o dia a dia e também para as grandes celebrações da realeza. Muitos historiadores afirmam, inclusive, que ela encorajava ministros e o povo inglês como um todo a beber o spirit oficial da coroa.

Pouco antes do início de seu reinado, ainda em 1690, o parlamento britânico havia aprovado o The Distilling Act, que encorajava e facilitava a produção de cognac (ou melhor, brandiesentenda aqui) e destilados de milho no país. Ainda na década de 1690, quatro anos após o Distilling Act, a cerveja passou a ser altamente taxada, abrindo caminho para um dos períodos mais sombrios da história da Inglaterra, a Gin Craze. Saiba tudo sobre ela nesta matéria especial.

CARRIE AMELIA NATION (1846 – 1911) carrie nation segurando uma machadinha

Americana nascida no estado de Kentucky, Carrie Nation foi símbolo do radicalismo do Movimento de Temperança ocorrido no país entre os anos de 1920 – culminando, como já sabemos, na promulgação do Prohibition Act, ou Lei Seca.

Embora não fosse bartender nem tivesse qualquer ligação com a indústria de bebidas como um todo, defendia, entre outras bandeiras, que mulheres não utilizassem corsettes para que não danificassem seus órgãos internos, e também que o álcool fosse proibido, devido danos à saúde, à segurança das famílias e também por motivações religiosas, com apoio de vários setores da sociedade da época.

Ela se descrevia como um “buldogue que corria ao lado dos pés de Jesus Cristo e latia para aquilo que ele discordava” e atacava bares com uma machadinha, alegando ordens divinas.

Talvez seja difícil aceitar que essa tenha sido uma contribuição positiva para a coquetelaria, mas é preciso levar em consideração o movimento de criatividade, as novas receitas e nova cultura de bar surgida após este período tão tempestuoso da história norte-americana.

ada colemanADA COLEMAN (1875 – 1966)

‘Coley’ como era conhecida em na barra do American Bar, em Londres, já é velha conhecida da comunidade de bartenders e talvez seja a mais famosa nesta lista – tanto que estampa a capa desta matéria. Antecessora de Harry Cradock na barra mais elegante da cidade, sua contribuição mais importante para o mundo dos cocktails foi o Hanky Panky, criado especialmente para o ator Charles Hawtrey, frequentador assíduo do bar.

Considerada uma lenda por ser a única mulher a ocupar a lista de head bartenders do bar do Savoy, ela o fez em um tempo ainda mais improvável, no início do século XX, aos 24 anos.

Ela é fonte inesgotável de inspiração para mulheres que decidem seguir carreira do bar e deixar seu nome na história da coquetelaria internacional.

VALENTINE GOESAERT (1889 – 1986)

Valentine é um nome pouco conhecido, mas sua contribuição à coquetelaria é inestimável. Em 1940, alguns anos após o fim da Lei Seca, alguns estados americanos ainda seguiam duras leis referentes ao trabalho no bar. O Michigan era um deles. Valentine, proprietária de uma taverna, havia perdido sua licença para trabalhar como bartender. Para recuperar o direito de seguir a carreira que tanto gostava, contratou a advogada Anne Davidow.

Apesar da luta, advogada e sua cliente não conseguiram reverter a lei estadual. Porém, sua aparição em frente à Suprema Corte tornou-se uma inspiração para que as barmaids do estado continuassem lutando pelo direito de trabalhar. A recusa de Valentine em desistir iluminou a paixão que as mulheres tinham por suas carreiras.

bartender joy perrini
(Foto: Amy C Evans 2008/Flickr)

JOY PERRINE (1965 – HOJE)

Bartender, apaixonada por whiskey, escritora e uma das poucas mulheres a conquistar um espaço no Kentucky Bourbon Hall of Fame. Estes são apenas alguns feitos de Joy Perrine, nascida no estado de New Jersey, de uma família que contrabandeava bebidas alcoólicas durante a Lei Seca. Apaixonada pelo universo dos spirits, ela tornou-se bartender quando morava nas Ilhas Virgens americanas e nunca mais saiu da profissão.

Seu spirit favorito era o bourbon whiskey, do qual era entusiasta em receitas de coquetelaria, sendo reconhecida como uma pioneira no uso do destilado de forma criativa, indo além dos clássicos. Seu conhecimento do universo desta bebida era tão notável que ao lado de Susan Reigler, foi coautora do livro The Kentucky Bourbon Cocktail Book.

Aproveitando que estamos falando sobre história, saiba mais sobre como e onde surgiram as primeiras bebidas alcoólicas de que temos registro:

Spirits através dos tempos: a origem das bebidas alcoólicas

Você vai gostar de ler!

drinks com amaro ramazzotti

5 drinks com Amaro Ramazzotti para explorar diferentes notas de sabor

⍟ Primeiro amaro do mundo tem uma complexidade de sabores interessantes que podem ter destaque em alguns tipos de cocktails; veja alguns deles Com 33 ...

garrafa de amaro ramazzotti com cocktail ao lado

Amaro Ramazzotti: uma receita secreta que conquistou o mundo

⍟ Com mais de 200 anos de história, uma receita com dezenas de ervas, flores e frutas ficou famosa nos restaurantes de Milão e iniciou uma trajetória de ...

capa do livro liquid intelligence

Liquid Intelligence: uma visão mais científica da mixologia

⍟ Neste livro, Dave Arnold convida bartenders a olharem para a coquetelaria de forma mais técnica e saírem da caixa Na busca por conhecimento sobre ...

Escreva o seu comentário:

O seu e-mail não será divulgado.

Menu deslizante