Em que ano você nasceu?





Stephanie Marinkovic: “Bar Aberto é uma boa oportunidade de popularizar a coquetelaria”

Bar Aberto
stephanie marinkovic no bar aberto

⍟ Jurada técnica do quarto episódio, Stephanie Marinkovic voltou ao Bar Aberto para auxiliar os bartenders com uma consultoria sobre Dry Martini. Para ela, o reality show é uma boa oportunidade para difundir a alta coquetelaria

Publicado em 5 de novembro de 2021, às 11 horas.

A frente dos cocktails servidos no Espaço 13, no bairro do Bexiga, em São Paulo, Stephanie Marinkovic foi a quarta jurada técnica da temporada do Bar Aberto, que vai ao ar às quintas-feiras, a partir das 21h30, no Multishow. O episódio desta semana envolveu os participantes na produção de drinks com Absolut Vodka. Segundo ela, é notável a evolução dos bartenders amadores nesta temporada, afinal ela também foi jurada na edição do ano passado, e pode acompanhar de perto os principais talentos do reality show.

No episódio de ontem, ela aceitou a proposta de oferecer aos participantes uma micro consultoria para a produção de variações de cocktails clássicos, como o Cosmopolitan e o Dry Martini, alguns dos clássicos à base de vodka mais populares ao redor do mundo. O ponto de partida foi o Dirty Martini, uma das receitas favoritas de Stephanie. “Mostrei para eles a minha versão perfeita de Dirty Martini, porque gosto de fazer o drink batido e não mexido”.

Para ela, a oportunidade de ser mais uma vez jurada técnica do Bar Aberto foi maravilhosa, e acredita que é uma excelente oportunidade para popularizar a alta coquetelaria entre o público. “Adoro poder incentivar as pessoas e ajudá-las a entender um pouco mais sobre a nossa profissão. O Bar Aberto faz isso em uma grande emissora de TV e, por isso, tem tudo para ser um grande sucesso”.

‘A COQUETELARIA SALVOU A MINHA VIDA’

Nascida na capital paulista, Stephanie é neta de avô bósnio e avó croata, que imigraram para o Brasil em busca de melhores oportunidades de vida. O avô serviu o exército e chegou ao país para trabalhar como engraxate, e a avó, como costureira. Seu avô conseguiu um trabalho em uma empresa, cresceu dentro dela, tornou-se sócio e conquistou uma boa condição de vida. Para Stephanie, o trabalho justo, honesto e consistente é a chave para uma boa carreira, em qualquer área. 

Acumulando prêmios e participações relevantes em diversos campeonatos, entre eles o Jameson Bartenders’ Ball, do qual foi a representante brasileira na final global de 2018, ela só encontrou o mundo do bar aos 22 anos de idade. Antes disso, passou por uma série de dificuldades que ensinaram a ela a importância do trabalho duro.

Criada por sua mãe e padrasto, ainda jovem ela passou por necessidades quando sua família enfrentou dificuldades financeiras. Eles moraram em pensões e passaram fome, o que motivou Stephanie a buscar vagas para trabalho como cabeleireira aos 17 anos. “Eu me destaquei no ramo, mas aos poucos eu percebi que não era aquilo que eu realmente gostaria de fazer”.

Foi quando o mundo dos bares e restaurantes entrou na sua vida. Em conversa com amigos, foi incentivada a fazer frilas eventuais como garçonete e bartender, para conhecer diferentes tipos de serviço, estudou o básico sobre coquetelaria e conseguiu mais trabalhos na área, porém perdeu várias oportunidades por ser mulher. “Algumas pessoas não acreditavam na minha capacidade de fazer um bom trabalho, mas mesmo assim eu decidi seguir o meu sonho”, conta.

De frila em frila, ela chegou ao Espaço 13 em 2014 para receber os visitantes e depois assumiu o cargo de bartender, com um cardápio bastante simples, porque o local ainda não trabalhava com coquetelaria. Por quatro anos, ela se especializou e ampliou, aos poucos, o bar e suas diversas cartas de drinks, até conseguir colocar o estabelecimento nos holofotes da alta coquetelaria paulistana.

“Eu sempre digo que a coquetelaria me encontrou e salvou a minha vida. Se a coquetelaria não tivesse me achado, não sei o que seria de mim. Gosto de contar a minha história, porque muitos acham que as coisas são fáceis, mas isso é mentira. No começo, quando tudo é pedra, cavar machuca bastante”, ressalta. “O que é para ser seu, será”. 

Atualmente, além de sócia proprietária e chef de bar do Espaço 13, Stephanie Marinkovic está focando suas energias criativas em duas novas empreitadas: cursos para bartenders e consultorias. “Estou caminhando pelo país para ensinar pessoas sobre coquetelaria, treinando profissionais e implantando a mixologia em hotéis de uma grande rede”, afirma. Em outubro, o Espaço 13 foi o vencedor na categoria ‘Bom e Barato’ do prêmio da Veja Comer & Beber 2021/2022.

Sua participação na última temporada do Bar Aberto rendeu uma amizade e um novo companheiro de trabalho: ao ser uma das juradas técnicas do reality, conheceu o Claudio Galicia (Nê) e se surpreendeu com o seu trabalho. Hoje, ele auxilia Stephanie atrás do balcão.

Continue acompanhando o Clube do Barman no portal e nas redes sociais para conferir os conteúdos exclusivos sobre a segunda temporada do reality show Bar Aberto.

Perdeu a entrevista da jurada técnica da última semana? Confira a seguir:

Alice Guedes: “os participantes apresentaram boa bagagem técnica”

Você vai gostar de ler!

15 anos do Clube: vai passar um filme pela sua cabeça

⍟ Uma plataforma criada para bartenders, focada em aprendizado, profissionalização, troca de experiências, encontros, competições, conteúdo e ...

PUNCH com diluição

ARTIGO | A importância de uma diluição perfeita nos punches

⍟ Jurado técnico do sétimo episódio, Gustavo Rômulo avaliou a criação de punches com o tema ‘viagens’. Neste artigo, ele explica mais ...

Gustavo Rômulo: “Participantes estavam dispersos em plena semifinal”

⍟ Jurado técnico do sétimo episódio, Gustavo Rômulo voltou ao Bar Aberto para julgar a prova da semifinal sobre punches com o tema ‘viagens’. ...

One commentOn Stephanie Marinkovic: “Bar Aberto é uma boa oportunidade de popularizar a coquetelaria”

Escreva o seu comentário:

O seu e-mail não será divulgado.

Menu deslizante