Em que ano você nasceu?





Raízes da Cachaça – Parte 3 – Cachaça Brasileira, sim senhor!

História

⍟ Na parte 1, a origem. Na parte 2, as revoltas. Na parte 3, o orgulho. Se fôssemos vocês, gritaríamos com toda força: “Eu nasci no país que deu ao mundo a cachaça!”

Na segunda parte da nossa série sobre a cachaça, focamos mais nos séculos XVI e XVII – época em que o açúcar ainda era o grande produto da economia brasileira. Trouxemos todos os empecilhos causados pela própria Coroa para a disseminação e popularização da bebida; a revolta da população sobre uma proibição imoral e suas consequências para o ciclo do açúcar.

Os anos de glória da cana-de-açúcar estavam acabando. As bandeiras adentravam cada vez mais no interior do país e um novo negócio estava surgindo: o ouro e a mineração. Ao longo do século XVII, aumentou exponencialmente a vinda de escravizados da África e a estrutura urbana no Brasil. O litoral sudeste era quem liderava a economia. Os portos do Rio de Janeiro e de Santos se tornaram verdadeiros centros econômicos e culturais, além de serem a porta de entrada para o resto do país.

A economia mineradora se provou mais rentável. O ouro e pedras preciosas daqui retirados eram vendidos a preços exorbitantes na Europa. Portugal se construiu com o dinheiro da extração mineral de nossos solos brasileiros. Havia, claro, outras formas de renda. O açúcar mesmo nunca parou de ser produzido, por exemplo. O comércio de algodão também era relativamente alto. Mas nada conseguia bater de frente com o ciclo minerador. É nesse momento em que o Pacto Colonial definitivamente se firma e todas as características estudadas lá nas aulas de História do “Brasil Colonial” se provam verdadeiras.

Mas é aqui que fica a provocação da nossa série. O açúcar aqui produzido, aqui não era consumido. O algodão aqui cultivado, aqui não era usado. O ouro daqui extraído, aqui não virava riqueza. Mas a cachaça aqui fabricada, aqui era bebida. Onde foram parar os consumidores? Para onde foram os alambiques?

DOIS SÉCULOS NO ESQUECIMENTO

O que aconteceu com a cachaça foi, na realidade, pensado. Como nós citamos algumas vezes nas matérias anteriores da série “Raízes da Cachaça”, a bebida nunca foi bem vista – seja pela Coroa portuguesa, seja pelos próprios habitantes do país. Por ter uma origem misteriosa, mas certamente popular, sempre foi vista como uma bebida “menor” ou “inferior”. A grande bebida portuguesa era o Vinho, a Bagaceira, o Vinho do Porto. Bebidas de marinheiros, navegadores, poetas, reis. Bebidas da nobreza. A cachaça era bebida do povo, bebida dos escravizados. Não é uma surpresa que ela tenha passado por um processo de esquecimento, portanto.

E, como dito nos parágrafos anteriores, o Brasil estava, enfim, se estruturando. O ciclo minerador necessitava de ainda mais infraestrutura do que a plantação e comércio da cana. Os portos litorâneos precisaram ser modernizados, as cidades se tornaram centros culturais de muita troca; estradas e rotas de extravio precisaram ser criadas para a saída desse ouro do país – já que a mineração era praticada, basicamente, no estado de Minas Gerais, que não possui fronteira com o mar. Assim, foram necessários grandes incentivos para que o país crescesse – no campo econômico, populacional e social.

“Lavagem do minério de ouro, proximidades da montanha de Itacolomi”, Johann Moritz Rugendas, 1835

Para Portugal era uma escolha óbvia. Gastava-se mais com a mineração? Evidente. Mas o ganho era muito maior. A Coroa mantém-se por anos a fio apenas com o dinheiro da venda desse ouro extraído do Brasil. Financia buscas por novas colônias, potencializa o tráfico escravagista e se solidifica como uma grande potência global. Não havia mais tempo e muito menos motivos para se pensar em cachaça. Todas as atenções estavam voltadas para a mineração.

PARA TUDO SE TEM UM FIM

Até para as grandes civilizações e grandes impérios. Portugal não mais conseguia se sustentar. Os gastos eram tão exorbitantes que nem o ouro brasileiro dava conta. Outros países precisaram entrar na jogada para que a conta fechasse – mas a dívida ia aumentando. Em certo momento, tornou-se insustentável. O tráfico negreiro fora abolido – com grande atraso; o ouro já não era o produto comercial de outrora; o café se tornava a grande moeda comercial do país… e Portugal? Foi para o brejo. Brasil torna-se independente da Coroa em 1822, se consolida como um Império até meados do século XIX e vira, enfim, uma República Federativa em 1889. Os nossos valores? Ordem e Progresso. Nossos orgulhos? O café, o povo miscigenado e nossas belezas naturais.

“Independência ou Morte”, de Pedro Américo

Será? A História do Brasil é, na realidade, muito menos agradável do que esse mesmo texto sugere. Nosso passado nos mostra que somos um povo que prefere deixar o tempo resolver nossas pendências. Não somos muito fãs de enfrentar de peito aberto o que nos aflige – preferimos jogar tudo para debaixo do tapete. Oras, situações como as citadas no parágrafo acima deixam marcas. De Colônia para Império e de Império para República em um espaço de 70 anos. Como fica a população nessa história? Majoritariamente analfabeta, rural e sem preparo para, ao menos, entender o que se passava em sua pátria. A verdade é que nunca se fez questão de que essa população fosse agente da história do país. Foram eles quem o construíram com as próprias mãos; em contrapartida, essas mãos sempre permaneceram vazias.

Nem uma garrafa de cachaça, no fim do dia, podiam segurar.

Africanos escravizados de uniforme: o início da indústria têxtil no Brasil

O RESSURGIMENTO DA CACHAÇA COMO ORGULHO NACIONAL

Diante todas essas mudanças radicais na estrutura do país, a arte se via como um sopro de sobriedade. José de Alencar e sua Iracema; Pedro Américo e sua independência; Machado de Assis e suas memórias póstumas, Lima Barreto e o nosso triste fim. Se a Insurreição Baiana tentava por um fim a anos e anos de injustiças, nossos artistas também o faziam. Perdoem-nos os livros de história, mas queremos acreditar que Aleijadinho, ao esculpir suas obras, entre uma pausa e outra, tomava um gole de cachaça. Em um mundo em que Machado decidiu se Capitu traiu Bentinho entre um gole e outro da nossa “branquinha”. É esse o Brasil que acreditamos.

E foi esse o Brasil em que os modernistas acreditaram. Tarsila do Amaral, Mário de Andrade, Anita Malfatti, Oswald de Andrade… e toda a classe da Semana de Arte Moderna de 1922. Dentre todas as obras da mostra, a cachaça foi escolhida como a bebida oficial da Semana. Servida todos os dias no Teatro Municipal de São Paulo, os modernistas escolheram a nossa aguardente por um motivo único especial: era a bebida que emanava em sua história e sabor os verdadeiros ideais de brasilidade.

Alguns dos artistas participantes da Semana de Arte Moderna de 1922. Muitos deles foram incentivadores e propagadores da cachaça.

Mais tarde, Mário de Andrade apresentaria a obra “Eufemismos da Cachaça”, uma ode à bebida brasileira. Tarsila do Amaral e seu marido Oswald de Andrade não cansaram de promover a “mardita” em encontros, reuniões e saraus na Europa. Se os modernistas tinham como objetivo a emancipação do povo e do orgulho brasileiro, isso só seria possível com a volta do consumo e, principalmente, do conhecimento sobre a cachaça.

A CACHAÇA GANHA O MUNDO

Ainda há um longo caminho a ser trilhado, mas os primeiros passos já foram dados.

A Semana de Arte Moderna revolucionou muita coisa no país. Há quem diga que não foi tão relevante assim, é verdade. Há quem diga que era tudo mais do mesmo. Opiniões sempre são bem-vindas. Ficamos com a narrativa do ressurgimento da cachaça como um orgulho nacional. Se nas artes plásticas o teto é mais relativo, para a bebida é diferente. Introduzida na Europa com um quê exótico, logo se popularizou. Tomou conta das festas, dos bares e, consequentemente, do mundo da coquetelaria. Antes vista como uma bebida inferior, hoje é degustada, procurada e, orgulhosamente, respeitada.

Tirar a pecha da cachaça como bebida qualquer aqui no Brasil e fazer com que seja conhecida como os outros destilados, como de fato é, ainda é algo importante a ser conquistado de forma plena. É certo que ainda há um grande trabalho a ser feito para que atinjamos o seu devido reconhecimento no mundo inteiro, mas a mudança de mentalidade de consumo deve começar dentro do país que a criou.

Mas, se o mundo das bebidas é um círculo, o Norte pode ser aqui. Nesse planeta, quem comanda é o Brasil. E aqui tudo acaba em cachaça.

Leia a primeira e a segunda parte desta série de matérias:

Raízes da Cachaça – Parte 1 – paralelos entre a história do Brasil e da bebida

Raízes da Cachaça – Parte 2 – O apogeu que nunca veio

Você vai gostar de ler!

drink pop art do the arch bar

The Arch Bar lança menu em homenagem ao Jubileu de Platina da Rainha Elizabeth II

⍟ Composto de 12 drinks, o menu do The Arch Bar foi inspirado nas obras de arte da realeza britânica Publicado em 19 de maio de 2022, às 11 horas. No ano ...

Preparação mental para a jornada de trabalho no bar

⍟ Além da prática de esportes e de uma boa alimentação, a preparação mental pode ser uma ferramenta importante para o bem-estar durante as jornadas de ...

drinks veganos no balcão

Macetes veganos na coquetelaria

⍟ Cada vez mais clientes brasileiros estão aderindo ao estilo de vida vegano, livre de produtos com origem animal, e é preciso que o bar esteja pronto ...

Escreva o seu comentário:

O seu e-mail não será divulgado.

Menu deslizante