Em que ano você nasceu?






Little Red Door: um menu de valores universais por detrás da pequena porta vermelha

Europa Mundo afora
fachada do bar parisiense little red door

⍟ Quem visita Paris tem a oportunidade de conhecer um dos melhores bares do mundo e uma proposta de carta de drinks audaciosa

Na região central da Cidade-Luz, a estreita rua de nome Charlot, que fica na quadra em frente do belíssimo e recentemente recuperado Carreau du Temple, mora o 33° melhor bar do mundo. No pavimento térreo de um antigo edifício de 3 andares, daqueles que ficam colados uns nos outros e à calçada, como é costume em Paris, ao lado de dezenas de comércios, a vitrine de vidro que quase nada revela sobre interior do estabelecimento.

Ao lado de outras tantas lojas com portões e mesmo fachadas inteiras na cor vermelha, se destaca aquela colocada no meio da vitrine de vidro. Em um hall diminuto revestido de papel de parede listrado, a famosa ‘pequena porta vermelha’, que dá nome ao Little Red Door (LRD), é um convite silencioso ao passante curioso. Mas é nosso dever avisar: não tente entrar pela portinha vermelha, ela é apenas um enfeite. A porta verdadeira é de vidro e fica logo ao lado, no hall.

Há quem diga que a porta e seu tamanho faça referência àquela de Alice no País das Maravilhas, mas temos certeza que seus anos de funcionamento fizeram com que a porta se tornasse simplesmente um ícone de si mesma. Não é à toa que o bar acumula cinco presenças na lista dos melhores bares do mundo em apenas seis anos de atividade.

O BAR

Não espere encontrar um bar parisiense porta adentro. O ambiente do LRD está mais para algo que se encontraria em Nova York.

A luz baixa, as paredes com os tijolos à vista, o balcão em primeiro plano com seis bancos estofados muito confortáveis e vários puffs e cadeiras com mesinhas baixas, formam um clima aconchegante e intimista.

Além do salão, o bar conta com um outro ambiente ligeiramente elevado do tipo mezanino, com recamier, poltrona e puffs dispostos em círculo. Sobre todas as mesas são colocadas velas.

Por seu tamanho diminuto, não se torna tarefa muito difícil lotar a casa, por isso o próprio bar indica aos visitantes que é bom chegar cedo se quiserem esperar  na fila para entrar e desfrutar a experiência etílica.

O gerente de operações do Grupo Bonhomie – Foto: Tom

RORY SHEPHERD

O chefe de operações, Rory Shepherd, é escocês, apesar de ter passado umas belas temporadas fora. Ele trabalhou em alguns pubs de seu país antes de mudar-se a Londres, para cursar a universidade.

Foi na terra da rainha que ele começou a trabalhar mais forte com coquetelaria, passando por bares renomados como Shoreditch e Underdog.

Na capital inglesa, também trabalhou em um pop-up bar montado em parceria com um amigo até que foi chamado para tornar-se gerente do The Library, onde contava com pessoal gabaritado que passou por bares importantes como o Milk And Honey e Happiness Forgets.

Ele se mudou para a França quando a namorada recebeu uma oferta de emprego. Mas até aí, com a bagagem que adquiriu nas experiências anteriores, não demorou até que surgisse outra oportunidade, desta vez para ele.

O início da carreira na França foi no Le Ballroom, um bar com musica alta, onde ele deveria criar uma carta simples mas criativa. Depois disso, em 2016, conheceu Remy Savage, primeiro chefe de bar do LRD e responsável pela inclusão da casa no 50 Best Bars pela primeira vez. Foi por meio de Remy que Rory entrou para o time. Além do Little Red Door, Rory também cuida de outros dois bares: Lulu White e Bonhomie. O três bares, juntos, formam o Grupo Bonhomie.

A EQUIPE

Além de Rory, a equipe tem à frente o gerente de bar, Calvin Politi, a senior bartender Emily Reynolds e o barman Louis Lebaillif – este último foi um dos três finalistas da final global do Chivas Masters 2018. Outros profissionais vindos de diferentes culturas somam ao trabalho do LRD com seus variados repertórios de vida.

A equipe do Little Red Door

MENU DE VALORES UNIVERSAIS

Até meados de maio deste ano, o trabalho da equipe ficou concentrado no LRD, quando o bar trocou sua carta de drinks para uma nova chamada “Menu de Valores Universais”.

Universalism, feito com Havana Club 7 Añejo Años, Merlet Eau de Vigne, baunilha e uva.

O trabalho durou cerca de oito meses e envolveu um estudo complexo para desenvolver o tema. Por ser um bar internacional e receber clientes de todas as partes do planeta, a ideia foi criar pontos de conexão que independessem de formações acadêmicas ou culturais.

A carta teve como base a Teoria dos Valores Humanos Básicos, criada por Shalom H. Schwartz. O estudo encontrou dez valores que todos já sentiram pelo menos uma vez na vida: auto-direção, estimulação, hedonismo, realização, poder, segurança, conformidade, tradição, benevolência, universalismo e espiritualidade. Estes valores foram traduzidos em cocktails.

Antes de colocarem a mão na massa de fato, todos os envolvidos na construção do cardápio fizeram um trabalho de imersão a fim de compreenderem o mais profundamente possível aquilo que estariam dispostos a desenvolver. O trabalho prático de criação aconteceu somente dois meses depois do estudo.

https://www.facebook.com/lrdparis/videos/1684443721636595/

Vídeos foram gravados pelos criadores dos drinks representando cada um dos sentimentos

ILUSTRAÇÕES DOS COCKTAILS

No menu, cada drink ganhou uma ilustração elaborada pela artista Laura Sheldon e descreve o sentimento por meio de uma soma de elementos e a predominância de cores que remetem a cada um deles.

GLASSWARE

Cada copo usado no bar é produzido por um fornecedor e foi pensado de acordo com a temática do cocktail. Para os drinks Security foram encomendados pares de mãos e para o Conformity foi contratado o serviço de um ceramista. Os outros foram encontrados depois de bastante pesquisa.

O cocktail Conformity, com copos produzidos por um ceramista sob encomenda, e sua respectiva ilustração disposta no cardápio.

MÉTODO DE CRIAÇÃO

Colocar a audaciosa ideia em prática envolveu toda a equipe, que foi separada em duplas. Cada uma delas criou um par de drinks juntos.

Benevolence

Diferentes repertórios de vida e visões sobre a coquetelaria se mesclaram para dar origem a uma carta que se tornasse uma verdadeira jornada, do primeiro ao último cocktail, composta de forma colaborativa e fortalecendo o espírito de trabalho em equipe.

Os encontros para desenvolvimento do menu aconteciam todas as terças-feiras durante oito meses. No início era como um think tank, em que as mais variadas ideias eram expostas por cada dupla responsável por um par de drinks. Com o tempo tornaram-se sessões de degustação. Depois de desenvolvidos os drinks da carta, todos os bartenders provaram cada um deles para opinarem sobre ajustes finos, antes que ela fosse implantada no bar.

Além da concepção feita de uma forma mais profunda e subjetiva que o habitual, a combinação de ingredientes também promete uma profusão de sabores maior do que a que costumamos encontrar em um bar, digamos, comum.

THE LITTLE RED DOOR

Endereço: 60 Rue Charlot, 75003
Transporte próximo: Filles du Calvaire (8)
Horário: Domingo a terça, das 18h às 2h (entrada até 1h)
sexta e sábado 18h às 3h (entrada até 2h)
Reservas: Não faz reservas. Chegue cedo para não pegar fila
Telefone: 01 42 71 19 32
Website 
Facebook 

Você vai gostar de ler!

Aprenda a preparar um drink que muda de cor: BUTTERFLY GIN TONIC

⍟ Em mais uma playlist da Série sobre Plantas Alimentícias Não-Convencionais na coquetelaria, você conhecerá a flor do Feijão Borboleta, que dá ...

Drink el presidente feito com havana club

El Presidente: uma breve história do Manhattan à cubana

⍟ Criado em homenagem a um presidente e aperfeiçoado por outro, este cocktail é quase uma resposta cubana à hegemonia dos drinks à base de whiskey do ...

Série: Drinks com Chivas Regal Scotch Whisky

⍟ Já faz um tempo que caiu por terra o mito de que o Scotch deve ser bebido puro. Aprenda quatro receitas consagradas de cocktails com whisky para fazer o ...

Escreva o seu comentário:

O seu e-mail não será divulgado.

Menu deslizante